Grande projeto turístico – Gavião Nature Village apresenta-se

Um projecto inovador e completamente diferenciador de ecoglamping (glamour + camping) vai nascer na proximidade da praia do Alamal e bem junto a Cadafaz, a Belver e a Gavião.
O projecto arquitectónico está aprovado, a candidatura já foi submetida ao Alentejo2020, o investimento será de 1,5 milhões de euros e cria 14 postos de trabalho, prevendo-se a inauguração em 2019.

Com capacidade para 150 pessoas, nos oito hectares e entre vinhas, no cruzamento dos Quatro Caminhos, vão nascer uma club house, 10 bungalows em cortiça, 13 tendas de glamping equipadas como um quarto de hotel, onde não faltam o aquecimento ou as instalações sanitárias, e ainda 14 tendas “normais”, para além de um bar-restaurante, loja de produtos naturais, piscina, sauna, banho turco e massagens, com espaços para animais de quinta, campo de jogos tradicionais, área de estacionamento e área de lazer, e a oferta de produtos associados como visitas, percursos, passeios no Tejo e muito mais, num empreendimento vocacionado para o turismo de qualidade mas também para eventos, reuniões e retiros.


O projecto foi apresentado ontem na Casa do Povo, seguindo-se uma visita ao local, e marcaram presença para além dos empreendedores e da equipa técnica de consultores liderada pelo arquitecto Luís Cachola, diversas entidades.
Para além do executivo, do presidente da Assembleia Municipal e de outros autarcas, destaque para as presenças de Roberto Grilo, presidente da CCDRA e do vogal Filipe Palma, do presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, Ceia da Silva, de Carlos Abade em representação do Turismo de Portugal, para além de outras entidades e de empresários do sector turístico, e os responsáveis técnicos do Município, engo Firmino e arqta Ana Neves.
O presidente da Câmara, José Pio, agradeceu as presenças, assumiu o total apoio ao projecto e apresentou os promotores, senhor Almeida e Fernando Couteiro a quem «as raízes chamavam ao concelho».

Projecto diferenciador e inovador

Fernando Couteiro apresentou detalhadamente este que é «um projecto diferente e inovador para responder ao turista mais exigente» e que visa «criar sinergias com as empresas e unidades existentes» porque «a união faz a força».
Identificou o terreno adquirido a José e Miquelina Bispo, de Cadafaz, com dois hectares de vinha e «vistas fabulosas» para o lado do castelo e do rio, explicando que vai haver uma forte aposta nos materiais, como a cortiça e a pedra, mas também no café (e até apontou a Delta), sendo uma das prioridades «colocar o hóspede em contacto com a natureza» mas sempre aliando o conforto.
Depois de descrever as instalações e a sua distribuição, apontou os pequenos concertos, o team building ou os jogos tradicionais como componentes da animação, e a oferta dos percursos pedestres, canoagem e passeios no Tejo, passeios de bicicleta e uma «forte aposta» em «retiros de dois a sete dias», com componentes de yoga, de meditação, e muito mais.
Os produtos tradicionais de quinta, como o vinho que será das vinhas existentes, o azeite e o mel constituirão outra aposta, estando o projecto direccionado para o mercado nacional, com 24% estimado para o mercado internacional, sendo o público alvo «jovens casais, famílias e grupos de rendimento médio» que procuram a natureza e o ar livre.
Por último o promotor falou do investimento, calculado em 1,5 milhões de euros, com a criação de 14 postos de trabalho no arranque e assumindo que a candidatura já submetida tem como objectivo atingir os 75% de financiamento.

Apoio e elogio

As intervenções seguintes não foram parcas em elogios.
Ceia da Silva saudou a «aposta e o investimento qualificado», salientando que o Turismo é um dos veículos «principais para o desenvolvimento do território».
Lembrou o presidente da ERTA que o turismo foi responsável por 500 milhões de euros de investimento privado no território em seis anos, que a procura tem um aumento progressivo e que o Alentejo é a região que mais sobe em proveitos (atrás dos Açores mas aí há um milhão de subsidiação aos voos low-cost, e no ano passado atrás da Região Centro por efeito da visita papal).
«O alojamento é que induz o crescimento dos sectores transversais», casos da restauração, dos percursos, dos produtos, etc…, salienta Ceia da Silva para depois qualificar este projecto como «diferenciador» e ajuda a colmatar a falha da região no alojamento, para elogiar de imediato o Município, porque este tipo de iniciativa só é possível «com uma Câmara dinâmica», que «está do lado da resolução e não dos problemas», salientando o papel determinante dos técnicos, para de seguida enaltecer o papel da CCDR no apoio a estes projectos.
O presidente da CCDRA, Roberto Grilo, vincou que o projecto se concilia com a região no aspecto ambiental, apontou a diferenciação e a inovação como aspectos altamente positivos e a valorizar, elogiou o Município que não se limitou a licenciar mas que «apoiou» o projecto desde início e estabeleceu pontes com as diversas entidades, classificando ainda o projecto como sendo de grande importância «para o concelho mas também para a região», valorizando ainda a «elevada qualidade» e a criação de 14 postos de trabalho «mais os indirectos», e sublinhando ainda a «qualidade do trabalho» da equipa de consultores, terminando a felicitar o Município, «pois Gavião está no extremo do distrito e da região, mas o presidente tem sabido trazer Gavião para o centro».
Carlos Abade salientou que Portugal foi recentemente eleito como o melhor destino turístico do mundo, que o sector cresceu 20% relativamente a 2016 e «revela uma dinâmica muito forte», tendo mesmo criado «mais de 50 mil postos de trabalho em 2017».
O representante do Turismo de Portugal salientou a importância da relação entre os turistas e os residentes e em que estes percebam o benefício à comunidade, apontado o turismo como um sector que «promove a coesão, diminui assimetrias e cria postos de trabalho», sublinhando depois a importância da inovação, «um grande desafio», pois são fundamentais os projectos diferenciadores «que não se podem replicar noutro local», terminado a vincar que «o Alentejo está na primeira linha do crescimento turístico» e que este é um «projecto de elevado mérito».

Fonte: www.jornalaltoalentejo.com